http://04021c3560d0c90306.comunidade.uolk.uol.com.br/2008_10/topic2008_10-08_15_43_37-3929349.html Blog de Gisele Azevedo - UOL Blog



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SOROCABA, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Música, Cinema, gastronomia, livros, namorar



Histórico


    Votação
     Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
     Canto das perdas
     Assim como você
     Blog do Falcão
     Tocando a vida sobre rodas
     Blog do Ricardo Soares - Todo prosa
     Compulsão por palavras
     A balzaca, a pirada e a pastelinha
     Cantinho do Landinho
     Tô sorto!
     Bloganvile


     
    Blog de Gisele Azevedo


    Todo o sentimento - parte 2

    Acredito forte e piamente no amor. Todas as vezes que a vida me presenteou com essa possibilidade (e foram várias), investi com todas as minhas energias.

    Principalmente ao final do segundo casamento, quando eu estava tentando me reerguer emocionalmente, e precisava demais me sentir bem ao lado de alguém.

    O namoro de dois anos (cravados) se esgotou, botei ponto final e fiquei sofrendo. Férias, Natal, Ano Novo, Janeirão, Carnaval. Dor do cão, de chorar, ficar no buraco.

    E toda vez que eu botava a cabeçona prá fora, ia no cinema. Ou num show. No teatro. Restaurante.

    Com amigas, com as fias, com o ex-marido.

    O danado esteve sempre presente, nesses quatro anos. Mãe na UTI, ele viajou 430 Km prá me dar uma força.

    Fiz uma cirurgia ano passado, lá veio ele me ver, colocou-se à disposição para o necessário.

    E ficou por perto, morando com as fias há 2 anos. Segundo as más (ou boas) línguas, ele sempre esteve na parada.

    Nunca me perguntou se eu estava namorando, se tinha terminado, nem nada. Convidava para algo e, se eu topasse, boa. Sem maiores indagações, como é do seu estilo.

    E assim nos aproximamos, como amigos de sempre.

    Nesse meio tempo, o ex-namorado retornou, e retomamos o namoro, numa tentativa de reconstruir o relacionamento.

    Mas eu já tinha feito o caminho inverso. Não consegui continuar e, definitivamente, encerrei o assunto.

    E me dispus a olhar para essa possibilidade de estar novamente com o ex-marido.

    Foi tudo muito tranquilo, lindo e romântico. Temos conversado muito, fazemos programas deliciosos todos os finais de semana, alguns deles com toda a família, a maioria só nós dois.

    O que nos reaproximou foi o que nos uniu, desde sempre: o gosto pelas artes. O que nos mantêm é o que construímos no casamento: aquele grande amor que, de minha parte, estava adormecido.

    Ele me esperou nesses quatro anos. Esteve por perto, cuidou das minhas filhas, apoiou quando precisei, jamais julgou qualquer atitude minha.

    Um homem extremamente elegante, educado e gentil. E o mais inteligente que já conheci em toda a minha vida.

    Estou muito feliz e me sinto em paz.

    E, a cada vez que ouço a nossa música, percebo que, finalmente, a história se fez:

     

    "... pretendo descobrir no último momento

    um tempo que refaz o que desfez

    que recolhe todo o sentimento

    e bota no corpo uma outra vez. 

    Prometo te querer

    até o amor cair doente, doente.

    Prefiro, então partir

    a tempo de poder

    a gente se desvencilhar da gente.

    Depois de te perder

    te encontro com certeza

    talvez num tempo da delicadeza

    onde não diremos nada, nada aconteceu.

    Apenas seguirei

    como encantada

    ao lado teu."



    Escrito por Gisele Queen Kong às 20h32
    [] [envie esta mensagem] []




    [ ver mensagens anteriores ]